CoachingSaúde e bem-estar

Como desenvolver a inteligência emocional?

como desenvolver a inteligência emocional?
TRABALHE NA INTERNET

Ganhe uma renda extra trabalhando pela internet

Descubra como aumentar seus rendimentos realizando tarefas simples no conforto de sua casa. Junte-se a milhares que já estão aproveitando estas oportunidades.

Saiba mais

Desenvolver a inteligência emocional é uma habilidade essencial para líderes no mundo digital complexo em que vivemos. Embora seja um desafio dominá-la, é necessário investir nesse desenvolvimento.

Mas afinal, o que é inteligência emocional?

É a capacidade de reconhecer, compreender e gerenciar as emoções, tanto as suas próprias quanto as dos outros. É uma habilidade que envolve a consciência emocional, a habilidade de lidar com as emoções de maneira adequada e a capacidade de utilizar as emoções de forma positiva para tomar decisões e interagir efetivamente com os outros.

Ter inteligência emocional significa ser capaz de identificar e nomear as emoções, compreender as causas e consequências das emoções, desenvolver empatia e empreender ações adequadas em resposta às emoções.

É um conjunto de habilidades que envolvem autopercepção, autogerenciamento emocional, consciência social e habilidades de relacionamento. Dentre os vários tipos de inteligência que existem, como a espacial, linguística, matemática e musical, a inteligência emocional está diretamente relacionada a dois tipos específicos:

  1. Inteligência interpessoal: essa habilidade engloba a capacidade de “ler” outras pessoas, lidar com situações sociais e demonstrar empatia.
  2. Inteligência intrapessoal: trata-se da habilidade de se entender e controlar internamente.

Construída com base em quatro pilares fundamentais:

  1. Percepção das emoções: é a capacidade de identificar os sentimentos, observando estímulos como mudanças na voz, expressões faciais e postura corporal.
  2. Utilização das emoções: envolve considerar o estado emocional das pessoas envolvidas em seu processo de raciocínio mental e avaliar como utilizar essas emoções em suas ações e soluções.
  3. Compreensão das emoções: consiste em perceber as variações emocionais ao seu redor, desde a percepção inicial até o uso das emoções em suas ações, bem como o entendimento das consequências dessas emoções.
  4. Gerenciamento das emoções: significa saber lidar com as emoções para que elas não atrapalhem seus objetivos nem causem problemas futuros devido a situações não resolvidas.

Ao dominar esses pilares, você estará um passo à frente no desenvolvimento da inteligência emocional.

Mas como colocar em prática essa habilidade no dia a dia? Conhecer seus próprios sentimentos e emoções e aproveitar ao máximo o que eles têm a oferecer é essencial para aplicar a inteligência emocional na prática. Portanto, é importante estar consciente e compreender a si mesmo, o que permitirá melhorar os relacionamentos pessoais e profissionais. Veja como aplicar essa habilidade essencial nos dias atuais:

  1. Autoconsciência: conhecer seus pontos fortes e fracos é fundamental para lidar com suas próprias emoções. Para desenvolver essa consciência, é necessário observação e feedback constante. Faça as seguintes reflexões:
  • Como os acontecimentos diários afetam suas emoções?
  • Como você reage a diferentes tipos de interações com outras pessoas?
  • Quais sentimentos você consegue identificar nessas reações?
  • Quais são as razões por trás das reações consideradas inadequadas por você ou pelos outros?

Alguns sentimentos comuns incluem admiração, adoração, apreciação estética, diversão, raiva, ansiedade, medo, tédio, calma, confusão, desejo, nojo, empatia, êxtase, excitação, horror, interesse, alegria, nostalgia, alívio, romance, tristeza, satisfação, desejo sexual e surpresa. Entender a diferença entre esses sentimentos permite uma análise mais detalhada do que você está sentindo e ajuda a identificar os gatilhos que desencadeiam esses sentimentos.

  1. Vulnerabilidade: uma vez que você reconhece suas fraquezas, expor essas vulnerabilidades auxilia as pessoas ao seu redor a lidarem melhor com seus sentimentos. A vulnerabilidade também gera admiração, principalmente por mostrar coragem ao se expor. Muitas vezes, quando você admite uma fraqueza para um grupo, isso não surpreende ninguém, pois provavelmente eles já perceberam esse aspecto em você, mas não tinham abertura para falar sobre isso. Uma equipe em que todos têm consciência dos pontos fortes e fracos uns dos outros promove uma maior honestidade e cumplicidade nos relacionamentos. Isso facilita a identificação de comportamentos inadequados e minimiza o impacto de problemas emocionais.
  2. Empatia: a empatia envolve analisar a trajetória e a realidade de outra pessoa, pensar a partir da perspectiva dela e, então, sentir o que ela sente. É mais do que simplesmente se “colocar no lugar do outro”; é deixar de lado seu próprio ponto de vista por um instante e compreender o ponto de vista do outro. Compreender o que o outro sente, pensa e acredita não significa automaticamente concordar com essa pessoa. Na verdade, o entendimento profundo do outro ajuda a lidar com as diferenças e a encontrar formas de colaboração. Para desenvolver a empatia, é importante fazer perguntas, ouvir com atenção, conversar, conhecer outras realidades e estudar outras culturas. Não é fácil ter empatia sem compreender o mundo do outro, por isso requer treino e pesquisa.
  3. Controle emocional: uma vez que você conhece suas fraquezas e gatilhos, é necessário desenvolver técnicas para não explodir no trabalho ou permitir que uma brincadeira de mau gosto atrapalhe a apresentação do seu projeto. Existem diversas técnicas de controle emocional, e você precisa testá-las para descobrir quais funcionam melhor para você. É importante criar o hábito de utilizá-las nos momentos necessários. Algumas técnicas úteis incluem exercícios respiratórios, meditação, caminhada, atividades físicas e mindfulness.

É importante ressaltar que, ao pesquisar sobre inteligência emocional, você pode ter ouvido falar que a resiliência é essencial. No entanto, ao invés de buscar apenas a resiliência, é mais eficaz e poderoso ser adaptável. O mundo está em constante mudança, e mesmo se você se preparar, enfrentará desafios e transformações. É necessário se adaptar ao ambiente e transformar-se de acordo com as situações. Ser adaptável é mais útil do que ser apenas resiliente.

A melhor forma de lidar com suas emoções é senti-las e trabalhá-las, preferencialmente com o auxílio de um terapeuta. Muitas pessoas têm preconceitos em relação à terapia, achando que é apenas para tratar pessoas com problemas mentais. No entanto, todos nós podemos desenvolver nossa inteligência emocional mais rapidamente utilizando a terapia como ferramenta.

Ser indiferente ao que acontece ao seu redor, tentar estar sempre com o mesmo humor e se sentir bem o tempo todo são expectativas impossíveis de serem alcançadas. Quem insiste nisso está, na verdade, se submetendo à positividade tóxica.

Seja livre para vivenciar todos os seus sentimentos e aprenda como desenvolver a inteligência emocional. Dessa forma, você evita que as emoções atrapalhem sua vida e a vida das outras pessoas.

Desenvolver a inteligência emocional requer autoconsciência, vulnerabilidade, empatia e controle emocional. É essencial conhecer e compreender seus próprios sentimentos, expor suas fraquezas de forma corajosa, entender a perspectiva dos outros e utilizar técnicas de controle emocional para lidar com as situações do dia a dia. Além disso, é importante destacar que a terapia pode ser uma valiosa ferramenta para acelerar o desenvolvimento da inteligência emocional.

Ao investir no desenvolvimento da inteligência emocional, você estará fortalecendo suas habilidades como líder e aumentando sua capacidade de lidar com as complexidades do mundo digital atual.

Ações:

Related Posts