Saúde MentalPsicanálise

O que é Depressão? Causas e Tratamento

o que é depressão? causas e tratamento
TRABALHE NA INTERNET

Ganhe uma renda extra trabalhando pela internet

Descubra como aumentar seus rendimentos realizando tarefas simples no conforto de sua casa. Junte-se a milhares que já estão aproveitando estas oportunidades.

Saiba mais

A depressão afeta cerca de 5% da população mundial, o equivalente a mais de 300 milhões de pessoas. É especialmente prevalente em mulheres, jovens e idosos. Dados da OMS apontam a depressão como a principal causa de incapacidade no mundo. É muito mais do que simplesmente estar triste ou deprimido por alguns dias. É uma condição séria de saúde mental que domina pensamentos, sentimentos e comportamentos da pessoa.

O que causa a depressão?

As causas exatas são complexas e não totalmente compreendidas, mas parece envolver uma combinação de fatores:

  • – Genética: histórico familiar de depressão aumenta o risco em até 3 vezes. Variações genéticas podem reduzir a disponibilidade de neurotransmissores.
  • – Bioquímica: desequilíbrios dos neurotransmissores cerebrais serotoninérgicos, noradrenérgicos e dopaminérgicos. Isso afeta o humor e cognição.
  • – Ambiental: eventos estressantes da vida como luto, divórcio, abuso, problemas financeiros ou no trabalho.
  • – Personalidade: pessoas perfectionistas, negativas e autocríticas têm mais chances. Traços de personalidade contribuem.
  • – Hormonal: mudanças nos níveis de hormônios sexuais como estrógeno e progesterona após o parto ou menopausa.

Não há uma causa única, e sim a interação complexa desses fatores genéticos, biológicos e ambientais que leva ao quadro depressivo.

Quais são os principais sintomas?

Sintomas emocionais:

  • – Humor deprimido e tristeza na maior parte do tempo. Irritabilidade em crianças e idosos.
  • – Perda de interesse e prazer nas atividades antes apreciadas. Sentimento de vazio.
  • – Sentimentos de inutilidade, desesperança e culpa excessiva. Choro frequente.
  • – Ansiedade e inquietação motoras. Agressividade em homens.
  • – Pensamentos recorrentes sobre morte e suicídio. Tentativas de suicídio.

Sintomas físicos:

  • – Fadiga, letargia e falta de energia e motivação para realizar tarefas.
  • – Insônia inicial, intermediária ou terminal. Hipersônia diurna em casos graves.
  • – Alterações no apetite com perda ou ganho significativo de peso.
  • – Dores crônicas sem causa orgânica aparente. Cefaleias e problemas digestivos.
  • – Diminuição da libido e desempenho sexual. Desregulação do ciclo menstrual.

Sintomas cognitivos:

  • – Dificuldade de concentração, memória e tomada de decisões. Pensamento e raciocínio lentificados.
  • – Visão de mundo e futuro negativa e pessimista. Autocrítica exacerbada.
  • – Baixa autoestima e sentimento de incapacidade e fracasso.

Esses sintomas devem persistir na maior parte do dia por pelo menos 2 semanas consecutivas para caracterizar um episódio depressivo maior. A doença tem impacto marcante no trabalho, relações e qualidade de vida.

Quais são os principais tipos?

  • – Depressão maior: apresenta o conjunto completo de sintomas num episódio. Mais comum em mulheres.
  • – Distimia ou transtorno depressivo persistente: sintomas brandos, porém crônicos por anos.
  • – Depressão atípica: aumento de apetite e sono ao invés da perda. Mais frequente em jovens.
  • – Depressão psicótica: além dos sintomas habituais, inclui delírios e alucinações. Estado grave.
  • – Depressão pós-parto: início após o nascimento do bebê, pela queda abrupta dos hormônios.
  • – Depressão sazonal: sintomas no outono/inverno com melhora na primavera. Mais comum em mulheres.
  • – Transtorno bipolar: oscila entre fases de depressão e mania/hipomania.
  • – Depressão tardia: início após os 60 anos de idade.

Como é feito o diagnóstico?

Não existem exames laboratoriais ou neurológicos que confirmem especificamente a depressão. O diagnóstico é clínico, feito pelo psicólogo ou psiquiatra após:

  • – Análise cuidadosa dos sintomas físicos, emocionais e cognitivos relatados.
  • – Investigação detalhada da história clínica, psiquiátrica e familiar do paciente.
  • – Aplicação de questionários e escalas padronizadas como o Inventário de Depressão de Beck.
  • – Exclusão de outras doenças e transtornos que causam sintomas semelhantes, como hipotireoidismo.
  • – Observação do comportamento e funcionamento mental do paciente durante a consulta.

O ideal é uma avaliação cuidadosa, criteriosa e individualizada de cada caso. O diagnóstico correto é fundamental para decidir o tratamento mais adequado a cada pessoa.

Como tratar a depressão?

O tratamento envolve tipicamente três elementos combinados:

Medicações:

  • – Antidepressivos que elevam os níveis cerebrais de serotonina, noradrenalina e dopamina. Atuam nas causas bioquímicas.
  • – Inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS), como fluoxetina e sertralina. Também inibidores da monoaminoxiodase (IMAO).
  • – Eficácia de 70% a 80% quando usados na dose e tempo adequados. Importante seguir prescrição médica.

Psicoterapia:

  • – Terapias cognitivo-comportamentais para identificar e modificar pensamentos e comportamentos negativos.
  • – Terapias psicodinâmicas e humanistas para trabalhar questões inconscientes e aumentar autoconhecimento.
  • – Terapias de apoio e familiar para melhorar autoestima, identidade e rede de suporte.

Mudanças no estilo de vida:

  • – Prática regular de exercícios físicos para liberar endorfinas e serotonina cerebral.
  • – Alimentação balanceada, rica em ômega-3, frutas, verduras e grãos integrais. Evitar inflamações.
  • – Rotinas regulares de sono-vigília, com luminosidade matinal para calibragem hormonal.
  • – Evitar álcool, drogas, isolamento social e ruminações mentais negativas. Buscar apoio familiar e social.
  • – Técnicas relaxantes como ioga, meditação e mindfulness para aliviar o estresse.

O tratamento combinado tende a ser mais eficaz do que cada abordagem isoladamente. A depressão pode ser superada, mas requer paciência, perseverança e ajuda profissional. Grupos de apoio também são muito benéficos.

Shares:

Related Posts