Plantas MedicinaisSaúde e bem-estar

Cannabis Medicinal: Uso Terapêutico

cannabis medicinal: uso terapêutico
TRABALHE NA INTERNET

Ganhe uma renda extra trabalhando pela internet

Descubra como aumentar seus rendimentos realizando tarefas simples no conforto de sua casa. Junte-se a milhares que já estão aproveitando estas oportunidades.

Saiba mais

A cannabis é uma planta que muita gente conhece como maconha. Ela é cultivada em várias partes do mundo e é usada para diferentes coisas, como remédios e materiais industriais.

As partes mais usadas da planta são as flores, folhas, sementes e o óleo extraído das sementes. A cannabis tem substâncias químicas chamadas canabinoides, sendo as mais conhecidas o THC e o CBD. O THC é o que deixa a pessoa “chapada”, causando sensações de euforia e relaxamento. Já o CBD não deixa as pessoas “chapadas” e tem sido estudado por suas propriedades medicinais.

Ao longo da história, a cannabis foi usada para muitas coisas. Algumas culturas a usam para fazer comida, óleo, roupas e papel. Além disso, a planta está sendo estudada para tratar problemas de saúde, como dor, náusea, epilepsia e outros problemas do cérebro.

Mas é importante lembrar que o uso da cannabis pode ser diferente em cada lugar, dependendo das leis do país. Alguns países permitem o uso recreativo e/ou medicinal da maconha, enquanto outros proíbem completamente. Então, antes de pensar em usar a cannabis, é importante saber as leis do seu país.

Por causa de todos os usos e propriedades químicas diferentes, a cannabis é um assunto que ainda está sendo estudado pela ciência e tem gerado muitos debates sobre sua legalização e uso como remédio.

O que é cannabis medicinal?

É quando a planta da maconha é utilizada como remédio para tratar diversas condições de saúde, com o acompanhamento e orientação de um médico. A planta contém substâncias chamadas THC e CBD. O THC é responsável pelos efeitos psicoativos, podendo deixar algumas pessoas “chapadas”. Já o CBD não causa esse efeito, mas apresenta propriedades medicinais promissoras, como ação anti-inflamatória, analgésica e sedativa.

Essa forma de tratamento tem sido estudada e utilizada para aliviar a dor crônica, controlar náuseas e vômitos em pacientes que fazem quimioterapia, reduzir espasmos musculares em pessoas com esclerose múltipla e tratar algumas formas de epilepsia. Além disso, há pesquisas em andamento sobre o uso da cannabis medicinal em distúrbios do sono, transtornos de ansiedade e outras condições neurológicas complexas.

Administrada de diferentes maneiras, como cápsulas, óleos, extratos e até mesmo inalando o vapor das folhas secas (vaporização). No entanto, é importante ressaltar que a dosagem e a forma de uso são ajustadas individualmente para cada paciente, de acordo com suas necessidades específicas.

O tratamento com cannabis medicinal deve ser conduzido com a supervisão e prescrição médica adequada. É essencial seguir as leis e regulamentações do país em relação ao uso da maconha para fins medicinais. A pesquisa científica continua a estudar os benefícios e riscos dessa abordagem terapêutica, e o uso da cannabis medicinal permanece um assunto em debate na sociedade

Para que serve?

A cannabis medicinal tem sido estudada para diversos propósitos terapêuticos. Algumas das principais utilizações incluem:

  1. Alívio da Dor Crônica: A cannabis medicinal pode ser uma opção para tratar dores persistentes e crônicas em pacientes que não respondem bem a outras terapias.
  2. Controle de Náuseas e Vômitos: Ela tem mostrado eficácia em reduzir náuseas e vômitos em pacientes que estão passando por tratamentos de quimioterapia.
  3. Tratamento de Epilepsias Graves em Crianças: Estudos têm indicado que a cannabis pode ser benéfica no controle de algumas formas de epilepsias refratárias em crianças.
  4. Glaucoma: Alguns estudos sugerem que a cannabis pode ajudar a reduzir a pressão intraocular em pacientes com glaucoma.
  5. Ansiedade e Distúrbios do Sono: A cannabis medicinal tem sido pesquisada como uma possível opção para tratar problemas de ansiedade e distúrbios do sono.
  6. Estimulação de Apetite: Ela pode ser utilizada para melhorar o apetite em pacientes que enfrentam perda de apetite devido a condições médicas ou tratamentos.

É importante ressaltar que a eficácia da cannabis medicinal pode variar de pessoa para pessoa e que cada tratamento deve ser conduzido sob a orientação de um profissional de saúde qualificado. Embora apresente promessa em muitas áreas, mais pesquisas são necessárias para entender completamente seus benefícios e limitações. Além disso, é essencial seguir as regulamentações locais em relação ao uso da cannabis medicinal, garantindo que seja usada de forma segura e legal.

Como é feito o tratamento?

O tratamento com cannabis medicinal é realizado por meio do uso controlado de extratos, óleos ou cápsulas que contenham doses específicas de canabinoides, especialmente THC e CBD. É importante destacar que, quando usado de forma adequada e nas doses recomendadas, o tratamento não causa os mesmos danos cognitivos associados ao uso recreativo da planta.

O paciente que deseja iniciar o tratamento com cannabis medicinal deve procurar um médico especializado, que irá avaliar suas condições de saúde, histórico médico e necessidades individuais. Com base nessa avaliação, o médico poderá prescrever a formulação e a dosagem adequadas para o paciente.

O tratamento é personalizado para cada indivíduo, levando em consideração a condição médica a ser tratada, a gravidade dos sintomas e a resposta do paciente aos canabinoides. As formas de administração mais comuns incluem óleos sublinguais, cápsulas orais e extratos para inalação (vaporização).

O acompanhamento médico regular é fundamental para monitorar a resposta do paciente ao tratamento, ajustar a dosagem conforme necessário e avaliar a eficácia do tratamento na melhoria dos sintomas. O médico também estará atento a possíveis efeitos colaterais e interações com outros medicamentos que o paciente possa estar utilizando.

Além disso, é importante ressaltar que o uso da cannabis medicinal deve estar em conformidade com as leis e regulamentações do país em relação ao seu uso. Cada país tem suas próprias regras sobre a legalidade da cannabis medicinal, e é fundamental que os pacientes e médicos estejam cientes e sigam essas diretrizes para garantir que o tratamento seja seguro e legal.

Perigos do uso sem orientação médica:

O uso da cannabis sem orientação médica ou para fins recreativos pode trazer diversos perigos à saúde. Alguns dos riscos incluem:

  1. Intoxicação: O uso não controlado da cannabis pode levar à intoxicação, causando efeitos indesejados como tontura, confusão mental e perda de coordenação motora.
  2. Taquicardia: O coração pode acelerar de forma perigosa após o consumo de cannabis, o que pode ser preocupante, especialmente para pessoas com problemas cardíacos.
  3. Transtornos de Ansiedade: A cannabis pode desencadear ou agravar transtornos de ansiedade em algumas pessoas, levando a sintomas como nervosismo e pânico.
  4. Psicoses em Predispostos: Pessoas com predisposição a transtornos psicóticos, como esquizofrenia, podem ver esses sintomas se agravarem com o uso da substância.
  5. Desenvolvimento Cerebral em Jovens: O consumo precoce de cannabis, especialmente por adolescentes, pode prejudicar o desenvolvimento cerebral em uma fase crucial da vida, afetando funções cognitivas e de aprendizado.

Por isso, é altamente desaconselhável o uso não supervisionado da cannabis como automedicação ou para fins recreativos. A segurança do tratamento com cannabis medicinal está relacionada à prescrição médica adequada, que leva em consideração as condições de saúde individuais e ajusta a dosagem conforme necessário. Somente com a orientação de um profissional de saúde qualificado é possível minimizar os riscos e garantir um uso seguro e benéfico da cannabis medicinal, quando apropriado para a condição do paciente.

Legislação no Brasil e no mundo

No Brasil, atualmente, a cannabis medicinal ainda é proibida. Embora existam projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional para regulamentar o uso medicinal da planta, até o momento nenhum deles foi aprovado e, portanto, seu uso continua sendo ilegal.

Em contraste, em diversos outros países ao redor do mundo, o uso medicinal da cannabis já foi legalizado e regulamentado. Por exemplo, nos Estados Unidos, Canadá, Portugal, Alemanha, Austrália, Colômbia e Chile, pacientes com prescrição médica podem ter acesso legal à cannabis medicinal para o tratamento de diversas condições de saúde.

Esses países têm estabelecido sistemas de regulamentação e controle para garantir que a cannabis medicinal seja utilizada de forma segura e responsável, protegendo tanto os pacientes quanto a sociedade. Essas legislações levam em consideração as necessidades médicas dos pacientes e permitem o acesso adequado à planta para fins terapêuticos, sempre com a supervisão de profissionais de saúde qualificados.

A legalização e regulamentação da cannabis medicinal têm sido assuntos importantes de debate em muitos países, com diferentes perspectivas sobre os benefícios e riscos dessa abordagem terapêutica. À medida que mais pesquisas são realizadas e a compreensão dos efeitos medicinais da cannabis avança, é possível que a legislação sobre seu uso medicinal continue a evoluir em diferentes partes do mundo.

Prós e contras do uso medicinal

Dentre os argumentos favoráveis estão a evidência crescente de benefícios terapêuticos, a possibilidade de aliviar o sofrimento de pacientes e a redução no uso de analgésicos mais potentes. Já entre os contra-argumentos estão os possíveis riscos à saúde, o receio de desvio para uso recreativo e questões morais envolvendo uma droga de uso ilícito.

Prós:

  1. Benefícios terapêuticos crescentes, com evidências positivas em várias condições médicas, como alívio da dor, controle de náuseas e redução de espasmos musculares.
  2. Alívio do sofrimento de pacientes com doenças graves, como a esclerose múltipla.
  3. Redução ou substituição de medicamentos analgésicos mais potentes, proporcionando uma opção alternativa de tratamento.
  4. Possibilidade de uso compassivo em casos de pacientes que não respondem a outras terapias convencionais.

Contras:

  1. Possíveis riscos à saúde, especialmente em pacientes vulneráveis geneticamente ou em fases críticas de desenvolvimento cerebral.
  2. Receio de desvio para uso recreativo, quando não há evidências sólidas para o uso indiscriminado da Cannabis em várias condições médicas.
  3. Questões morais e desinformação sobre medicamentos à base de Cannabis, já que existe apenas um medicamento registrado no Brasil, e muitos produtos são apenas derivados da planta.
  4. Falta de regulamentação clara em alguns países, tornando necessário um controle rigoroso no uso medicinal da Cannabis para evitar riscos à saúde pública.

Essa é uma questão complexa e em constante evolução, e é essencial que os pacientes considerem todos os prós e contras e busquem orientação médica qualificada antes de optar pelo tratamento com Cannabis medicinal.

Conclusão

A utilização da cannabis em terapias é uma questão complexa, que requer análise cuidadosa dos riscos e benefícios. Mais estudos são necessários para estabelecer a segurança e eficácia do uso medicinal. Caso venha a ser legalizada e regulamentada no Brasil, deverá ocorrer com rigorosa supervisão médica e farmacêutica, para garantir que pacientes elegíveis tenham acesso seguro a essa opção terapêutica.

Este artigo é de cunho informativo e apresenta uma visão geral do status atual da cannabis medicinal, não devendo ser interpretado como recomendação ou endosso ao uso.

Shares:

Related Posts